Este slideshow necessita de JavaScript.

2o dia de Oficina com Suely, explorando inquietações sobre as potencias poéticas e políticas. Rua do Russel, na Gloria, Rio de Janeiro.

VISUALIDADE DÓCIL

Apresentando o conceito de visualidade dócil, Sérgio Martins discutirá o teor ideológico da relação entre paisagem e autoimagem do Rio de Janeiro, articulando elementos aparentemente díspares, como a cobertura das favelas na imprensa e a proliferação de estátuas de bronze no espaço público.

Sérgio Bruno Martins é mestre e doutor em História da Arte pela University College London e atua também como crítico independente. Foi editor do periódico inglês Object (UCL) e editor-convidado do número especial Bursting on the Scene: Looking Back at Brazilian Art (2012), do periódico Third Text (Routledge). Tem artigos publicados nestes dois periódicos e também em jornais e revistas como Lado 7, Dardo, O Globo, Enclave e Arte & Ensaios.

Escreveu ensaios e artigos sobre artistas como Hélio Oiticica, Antonio Dias, Cildo Meireles, Renata Lucas, Matheus Rocha Pitta, Felipe Cohen e Daniel Steegmann. Atualmente, está organizando um livro sobre Antonio Dias para a série Encontros (Azougue Editorial), escrevendo um livro sobre a relação entre Hélio Oiticica e o rock inglês e norte-americano e atuando como curador da exposição de Matheus Rocha Pitta no Paço Imperial (2012).

(IMAGEM: RESTAURAÇÃO DOS ÓCULOS DA ESTÁTUA DE DRUMMOND DE ANDRADE EM COPACABANA)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Finalização da Oficina, ‘Tentativa de Esgotar um Lugar Carioca’ (depois de George Perec “Tentative d’épuiser un lieu parisien“). Largo do Machado (monumento a Jose de Alencar). Depois açaí, guaraná natural e comida paraense no Tacaca.

Som captado por Ivanna Vollaro: vozes do participantes em leitura simultanea das observações e anotações realizadas no largo do Machado.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Início do Workshop, conversa sobre filosofia e cultura ocidental na r. Benjamim Constant passando por diversos lugares no Bairro e Morro da Glória.

Pablo León de la Barra fará um percurso por seus recentes projetos em que investiga a necessidade de criar e inventar centros e contextos próprios.

Pablo León de la Barra, nascido na Cidade do México, é um realizador de exposições, trabalhador da arte, agente cultural, pesquisador, editor, blogger, assessor de feiras, coleções de arte e museus, autor ocasional, arquiteto aposentado, esteta diletante…

Pablo curou, ente outras mostras: ‘To Be Political it Has to Look Nice’ (2003) na Apexart e ‘Art in General’ em New York; ‘PR04 Biennale’ (2004, co-curator) em Puerto Rico; ‘George and Dragon at ICA’ (2005) no ICA-London; ‘Glory Hole’ (2006) na Architecture Foundation-London; ‘Sueño de Casa Propia’(2007-2008, em colaboração com Maria Ines Rodriguez) no Centre de Art Contemporaine-Geneve; ‘This Is Not America’ em Beta Local, San Juan, Puerto Rico (2009); ‘Incidents of Travel in Central America, Chiapas, Yucatan and Elsewhere’, no CCE de Guatemala (2010). Seu último projeto ‘Microclimas’ pode ser visto atualmente na Kunsthalle de Zurich.

IMAGEM:CARTAZ DA 1ª BIENAL TROPICAL SAN JUAN PUERTO RICO. PLB, 2011, CANETA COLORIDA SOBRE PAPEL.