Amilcar Packer
Amilcar Packer nasceu em Santiago do Chile em 1974 e mudou-se para o Brasil em 1982. Formado em filosofia pela USP, desenvolve um trabalho no qual desloca, subverte e re-contextualiza objetos do cotidiano, arquitetura e o corpo humano, em ações, muitas vezes realizadas pelo próprio artista, apresentadas em fotografias, vídeos e instalações. Seu trabalho se baseia na ideia do mundo como linguagem e construção onde as práticas artísticas apontam para a possibilidade de novas formas de apreensão, comportamento e subjetivação, resistência e fricção perante estruturas históricas, políticas e sociais de poder e opressão que rigidamente determinam os indivíduos sob forma de necessidade e segunda natureza. Em suas pesquisas, desenvolve também apresentações no formato de leituras e encontros, conversas e caminhadas, passeios e comidas.
Entre suas exposições recentes temos “Modify as needed”, Museum Of Contemporary Art, Miami (2011) “Electrified: Hacking the public space”, S.M.A.K., Ghent (2010) “Interrogating Systems”, Cisneros Fontanals Art Foundation, Miami (2008) “L’autre Amérique: Art Contemporain du Brésil”, Passage de Retz, Paris (2005) ou o“Panorama da Arte Brasileira”, Museu de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo (1999). Participou nas bienias de Sydney (2004), Thessaloniki Biennale of Contemporary Art (2009); ou a trienal de Guangzhou: Farewell to Post-Colonialism  (2008)
Benjamin Meyer-Krahmer
Benjamin Meyer-Krahmer (PhD) é acadêmico e escritor independente. Na sua prática, ele combina trabalho no campo da crítica de arte, teoria e exposições com pesquisa acadêmica e ensino em tópicos relacionados. Após ter publicado um livro sobre o artista suíço Dieter Roth, ele agora estuda as relações de texto/imagem nas artes e nos processos cognitivos. Em sua pesquisa atual ele enfoca a estética da produção de conhecimento, mais especificamente sobre a função epistêmica da iconicidade notacional em processos de raciocínio.

Publicou textos sobre artistas como Lee Lozano, Pier Paolo Pasolini, Andy Warhol… e lecionou na Universidade de Zurique e no Pasadena Art Center, Los Angeles. Até o ano passado ele era afiliado com departamento de filosofia e ciências humanas da Frei University de Berlim, como bolsista no grupo de investigação interdisciplinar “Iconicidade notacional” (www.schriftbildlichkeit.de <http://www.schriftbildlichkeit.de/> ). Ele recentemente trabalhou como colaborador/assistente/co-editor com o artista visual Willem de Rooij em sua nova instalação/publicação ‘Intolerância’ para a National Gallery, Berlim. (http://www.intolerance-berlin.de/). Atualmente leciona na Acedemia de artes de Leipzig.

*A participação de Benjamin Meyer-Krahmer é gentilmente apoiada pelo Goethe Institut, São Paulo*

Kaira M. Cabañas

Kaira M. Cabañas é historiadora da arte e diretora do programa de MA em Arte Moderna na Universidade de Columbia. Seu primeiro livro, The Myth of Nouveau Réalisme: Art and the Performative in Postwar France, será publicado proximamente pela Yale University Press. Escritos de Cabañas apareceram em Grey Room, Les Cahiers du Musée national d’Art moderne e Parachute, bem como em catálogos como Objetos Relacionales: Colección MACBA 2002–07 (2009), Yves Klein: With the Void, Full Powers (Walker/Hirshhorn, 2010), Seven Circles / Seven Sounds: Lothar Baumgarten (Kunstverein Bergen, 2009), para o qual ela também serviu como editor. Cabañas é curadora, juntamente com Frédéric Acquaviva, da exposição Espectros de Artaud. Línguagem e as artes na década de 1950, que abre no Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía em setembro de 2012.

Para seu workshop no Capacete Summer University Cabañas irá apresentar filmes e material de seu próximo livro “Cinema fora da tela: Isidore Isou e a vanguarda letrista”. O livro avança modelos alternativos de montagem (por exemplo, entre o discurso e som, som e imagem, tela e espaço), e assim fazendo oferece uma pré-história para muitas das questões exploradas no cinema expandido na década de 1960, assim como na imagem projetada na arte contemporânea.

http://www.columbia.edu/cu/arthistory/faculty/Cabanas.html

*A participação de Kaira M. Cabañas é gentilmente apoiada por uma Bolsa ao Docente do Instituto de Estudos Latino-Americanos da Universidade de Columbia.*

Manuel Raeder

Manuel Raeder é um artista e designer que vive e trabalha em Berlim. Seu foco principal reside em gerar colaborações com artistas, cientistas, designers de moda, impressores, livreiros, bolsistas, curadores, foto-copistas, encadernadores, não professionais ou teóricos, sempre questionando a prática e re-avaliando a relação que os humanos tem com os objetos. Seu trabalho abrange um amplo leque de formatos e explora as fronteiras entre exibições, efêmera, livros, design tipográfico, edição e publicação até mobília e arte.

Nos últimos 10 anos ele fez numerosas exposições, livros, comissionados e auto-publicados, que exploram os limites entre livro de artista, edição, ou o livro como meio de apresentação. Ele colaborou recentemente com os artistas Tris Vonna-Mitchell, Haegue Yang e Mariana Castillo Deball. Ele é responsável por todo o design gráfico do duo de moda e arte BLESS, o Kolnischer Kunstverein e o Artists Space de New York. Manuel tem feito workshops na the École Nationale Supérieure des Arts Décoratifs, Paris; University of Toulouse le Mirail; Centro de diseño, Mexico City; Design to Context, Institut für Designforschung Hochschule für Gestaltung ou na Kunstverein de Munich.

www.manuelraeder.co.uk

*A participação de Manuel Raeder é gentilmente apoiada pelo Goethe Institut, São Paulo*
Renata Lucas

Renata Lucas vive no Rio de Janeiro e realizou trabalhos em diversas partes do mundo. Seus trabalhos em geral investigam o espaço que habitamos, nossa percepção dele e as relações estabelecidas nele, revelando ou inserindo camadas ocultas de significado, por vezes ficcionalizando a realidade, propondo repentinos escorregamentos temporais, ou desvios psicológicos.

Suas mais recentes exposições incluem: Peephole, Milão (2011), XXII Bienal de Istanbul (2011),KW Instituto de arte contemporânea, Berlim (2010), 53a Bienal de Veneza (2009), MACBA, Barcelona (2009), Trienal de San Juan (2009), XVI Bienal de Sydney (2008), Gasworks, Londres (2007), ICA Boston (2008), Tate Modern, Londres (2007), REDCAT, Los Angeles (2007), 27a Bienal de São Paulo (2006), entre outras.

Suely Rolnik

Suely Rolnik é psicoterapeuta, crítica cultural e professora e integrante do Núcleo de Estudos da Subjetividade da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, além de professora convidada do Programa de Estudos Independentes do Museu de Arte Contemporânea de Barcelona. Na fronteira entre vários campos, suas pesquisas e trabalhos acadêmicos são dedicados às políticas de subjetivação através de uma perspectiva transdisciplinar.  Além de refletir sobre a arte contemporânea e sua interface com a política e a clínica terapêutica.

Em 2007 curou com C. Diserens – a exposição de Ligia Clark na pinacoteca do estado de São Paulo e no Musée de Beaux-arts de Nantes, 2005-2006. Publicou textos em importantes revistas internacionais como Parkett (Suiça), Trafic (França), Zona Erogena (Argentina). É autora entre outros, de Micropolítica. Cartografias do desejo, em colaboração com Félix Guattari, publicado em 5 países. E recentemente publicou Archive Mania na serie 100 notebooks da dOCUMENTA 13, Kassel, assim com a coletânea Arquivo para uma obra acontecimento com mais de 50 entrevistas a alegados a Ligia Clark, projeto que já foi mostrado na pinacoteca do estado de São Paulo, na galeria Jan Mot de Bruxelas ou no Sesc Pinheiros de São Paulo.

Ernesto Neto

Nascido no Rio de Janeiro em 1964, onde vive e trabalha, Neto constitui uma das figuras importantes do cenário artístico brasileiro atual. Explorando as possibilidades escultóricas de materiais tão diversos (e tão fora da historia da arte) como especiarias, tecidos elásticos ou espumas, Neto realiza paisagens internas, onde a experiência é profundamente corporal e convida o espectador ao disfrute sensorial, ao mesmo tempo que percorre a tradição da escultura moderna numa releitura extremamente original.

Seus trabalhos foram exibidos em inumeráveis mostras coletivas e individuais ao redor do mundo em museus e bienais como MOMA, New York; Tate Modern Gallery, London; Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía, Madrid; Centro George Pompidou, Paris;  Moca, Miami; Carnegie Museum, Pittsburgh; Museo Guggenheim, New York; 49ª Bienal de Venecia; 5ª Bienal del Mercosur, Porto Alegre; 29ª bienal de São Paulo; Panthéon, Paris;  Museo d’Arte Contemporanea, Roma.

Ricardo Basbaum

Artista, escritor, crítico e curador, Basbaum mistura diversas práticas. Sua produção inclui performances, ações, intervenções, textos, manifestos, objetos e instalações. O projeto NBP – Novas Bases para a Personalidade, iniciado em 1989, estabelece conexões diretas com o espectador apresentando cápsulas de lazer, pequenas estruturas construídas em ferro, tela de arame, espuma, tecido e isopor, pensadas para que os participantes entrem e se deitem, sozinhos ou em duplas, vivenciando assim condições de maior proximidade ou de solidão. A discussão sobre os relacionamentos humanos é enfocada também em uma série de desenhos diagramáticos, apresentados em painéis sobre as paredes do espaço expositivo, envolvendo conceitos de sociabilidade, comunidade, isolamento ou atomização social.

Basbaum obtevo o Doutorado em Artes da Universidade de São Paulo (2008). Profesor do Instituto de Artes da Universidadw do Estado de Rio de Janeiro. Exposições individuais recentes incluem Membranosa-entre (NBP), Galeria Luciana Brito, São Paulo (2009); Re-projecting (Utrecht), Casco Office for Art, Theory and Design, Utrecht, Holanda (2008); y La société du spectacle (& NBP), Kunstraum lakeside, Klagenfurt, Austria (2007). Entre as exposições coletivas se destacam: Brazil Contemporary, Boijmans Museum, Rotterdam (2009); Estratégia, Plymouth Arts Centre, Plymouth, Inglaterra (2008); Quase Líquido, Itaú Cultural, São Paulo (2008);  Documenta 12, Kassel (2007); Domestic Incidents, Tate Modern, Londres (2006). Foi curador das mostras Mistura + Confronto, Porto, (2001); Panorama da Arte Brasileira 2001 (MAM-SP), Conversations, Skujc Gallery, Ljubljana (2006) e On Difference#2, Kunstverein Stuttgart (2006). Publicou numerosos textos en revistas especializadas no Brasil e no exterior.

Sergio Martins
Sérgio Bruno Martins é mestre e doutor em História da Arte pela University College London e atua também como crítico independente. Foi editor do periódico inglês Object (UCL) e editor-convidado do número especial Bursting on the Scene: Looking Back at Brazilian Art (2012), do periódico Third Text (Routledge). Tem artigos publicados nestes dois periódicos e também em jornais e revistas como Lado 7, DardoO GloboEnclave e Arte & Ensaios.
Escreveu ensaios e artigos sobre artistas como Hélio Oiticica, Antonio Dias, Cildo Meireles, Renata Lucas, Matheus Rocha Pitta, Felipe Cohen e Daniel Steegmann. Atualmente, está organizando um livro sobre Antonio Dias para a série Encontros (Azougue Editorial), escrevendo um livro sobre a relação entre Hélio Oiticica e o rock inglês e norte-americano e atuando como curador da exposição de Matheus Rocha Pitta no Paço Imperial (2012).
Anúncios
%d blogueiros gostam disto: